Ceará

Meningite provocou 38 óbitos no Ceará em dez meses

O Ceará registrou, de janeiro ao dia 12 de outubro, 38 mortes relacionadas à meningite. Há três meses, até 13 de julho, haviam sido contabilizadas 27 mortes por conta da enfermidade. Os dados são da planilha de doenças de notificação compulsória elaborada pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), que também revela 356 casos notificados da doença, no mesmo período - até julho, eram 260 casos.
Os óbitos se referem a duas classificações da enfermidade. A Doença Meningocócica (DM), transmitida por bactéria e que apresenta maior taxa de letalidade, vitimou 16 pessoas. Já a categoria "outras meningites", que podem acontecer em decorrência de vírus e fungos, foi responsável por 22 mortes no Estado, em 2019.
Óbitos
No caso da DM, foram 12 mortes em Fortaleza; Aquiraz, Maracanaú, Iguatu e Caririaçu tiveram uma ocorrência cada. Já com "outras meningites", foram seis mortes em Fortaleza. Outras 14 cidades também relacionaram óbitos em decorrência da doença. Conforme o Ministério da Saúde, a meningite é considerada endêmica, ou seja, "casos da doença são esperados ao longo de todo o ano, com a ocorrência de surtos e epidemias ocasionais".
A meningite tem transmissão aérea, e seus agentes etiológicos se espalham mais facilmente em ambientes fechados, por tosse ou espirro. Segundo a Secretaria da Saúde do Estado, a meningite causada por fungo e vírus geralmente apresenta casos menos graves. Quando é transmitida por bactéria, tem maior risco de óbito ou sequelas, como convulsões, surdez, perda de memória, falência nos rins, acidente vascular cerebral (AVC) e outros graves danos cerebrais.
Um boletim epidemiológico da Pasta explica que, mesmo quando a doença é diagnosticada precocemente e um tratamento adequado é iniciado, entre 5% e 10% dos pacientes não resistem e vêm a óbito, normalmente, 24 ou 48 horas após o surgimento dos primeiros sintomas. Sem tratamento, até 50% dos casos podem resultar em morte.
Sintomas
Os principais sintomas incluem febre alta repentina, dor de cabeça e na nuca, rigidez no pescoço e vômito. Também podem aparecer náuseas, convulsões, sonolência ou dificuldade para acordar, sensibilidade à luz, falta de apetite e manchas ou rachaduras na pele. Bebês recém-nascidos podem apresentar moleira elevada e inquietação.
De acordo com o Ministério da Saúde, todas as faixas etárias podem ser acometidas pela doença, mas o maior risco de adoecimento está entre crianças menores de cinco anos, e especialmente as menores de um ano de idade. Por isso, indica que manter a caderneta de vacinação em dia é a forma mais eficaz para a prevenção. O Programa Nacional de Imunização oferta quatro tipos de vacina - BCG, pentavalente, meningocócica C e pneumocócica v-10 - que protegem contra a doença.
Novo método
Para o infectologista pediátrico Robério Leite, do Hospital São José, o número não está fora do esperado no ciclo histórico epidemiológico no Estado. Entretanto, afirma que o número pode estar relacionado a uma nova técnica para identificação dos agentes causadores das meningites, desenvolvida no fim do primeiro semestre do ano. "Faz uma diferença grande no ponto de vista de controle e para saber mais sobre nossa realidade", afirma.
O infectologista reforça a importância da imunização, sobretudo em crianças nos primeiros dois anos de vida, o grupo com mais casos. "Única forma efetiva é essa, que tem impacto de saúde pública, como houve no País, como um todo e aqui também", explica Robério Leite.

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.